História

 A história da vila de Carrazeda mistura-se com os tempos medievais do concelho de Ansiães, extinto em 1734. Ponto importante da linha de defesa fronteiriça do Douro, a vila de Ansiães recebeu o primeiro foral no século IX, por D. Fernando, “renovado” por D. Afonso Henriques em 1160, com o intuito de repovoar a localidade após confrontos com os árabes. Novos forais em 1198 (por D. Sancho I) e em 1510 (por D. Manuel I) reforçam as regalias de Ansiães.
A dificuldade no abastecimento de água do Castelo de Ansiães, os acessos complicados e a mudança da linha defensiva ditaram a progressiva perda de importância e influência da vila, tendo a sede do concelho sido transferida para Carrazeda de Ansiães a 6 de Abril de 1734. A centralidade da nova sede, junto a um importante eixo viário, permitia escoar melhor os produtos que, a partir do rio Douro, iriam abastecer toda a província. Da antiga povoação restam vestígios históricos e monumentais que podem ser visitados para testemunhar a História.

Em 1864, Carrazeda de Ansiães tinha 316 habitantes, número que cresceu até 1464, em 1950. Para tal contribuiu a diversificação das actividades económicas, com a agricultura e a pecuária a perderem influência para o comércio.

Samorinha
A aldeia de Samorinha, agora anexa a Carrazeda de Ansiães, também foi uma localidade importante na era medieval, perdendo expressão até à época actual. Localizada a cerca de dois quilómetros a Norte da vila, Samorinha foi freguesia até 31 de Dezembro de 1936, data em que o decreto-lei n.º 27424 a extinguiu e anexou à Carrazeda.

Até ao século XVIII, Samorinha sempre teve uma população próxima de Carrazeda, por vezes superior. Entre 1527 e 1530, tinha 25 moradores e Carrazeda só tinha 11. Em 1721, só tinha 24 e Carrazeda 32. Em 1734, quando Carrazeda passou a sede concelhia, Samorinha tinha 83 e a vila 108 habitantes. Curiosos são os dados demográficos de 1796, quando Carrazeda tinha 176 habitantes, dos quais 89 eram homens e 87 mulheres; isto porque Samorinha tinha 139 habitantes, sendo 93 homens e 46 mulheres. O número de pessoas do sexo masculino era superior ao da vila, apesar de Carrazeda ter mais população.